Cerro Castillo e Puerto Ibañez

Seguindo o roteiro da Carretera Austral, saímos de Coyhaique em direção a Puerto Ibañez onde passaríamos aquela noite, mas antes tínhamos uma aventura a fazer, subir o Cerro Castillo.

O Castelo (Castillo em espanhol) de basalto, as geleiras e lagos embelezam a Reserva Nacional Cerro Castillo, tanto que essa é uma das atrações principais da Carretera e assim como em toda a Patagônia, viajantes atravessam oceanos para estar diante destas obras da natureza.

Laguna_Cerro_Castillo
foto da internet

A Villa Cerro Castillo fica a 64 km de Coyhaique e para chegar no posto de entrada da Reserva utilize as coordenadas – 46.111497, -72.157060

A primeira parte do trekking é feita em uma propriedade particular e se você for apenas andar nessa primeira parte que inclui uma trilha para a cachoeira, você precisa pagar 5 mil pesos. Agora, se você for fazer a trilha que vai até a Laguna Cerro Castillo você tem de pagar 18.000 pesos.

Falando em valores, existe por lá o aluguel de “pau” de trekking, muito útil para esse tipo de subida, custa 5 mil pesos o par.

Para ir até a cachoeira a trilha é curta, mas até a laguna leva 7 horas de trekking, nível intermediário a difícil por conta das subidas; aliás, até o final da trilha você sobe cerca de 1000 metros de altitude.

Para entrar na reserva e realizar a subida até a laguna, o horário máximo é as 12:00, e o horário para estar de volta é 18h. Então o correto é chegar até às 11h para dar tempo. Nem pense em burlar os horários pois no meio do caminho fica um guarda acampado e se você estiver “atrasado” ele manda descer, isso por que a partir de um horário os ventos na região intensificam e fica muito perigoso.

O parque está sempre aberto? Não, se estiver muito vento e chuva, a reserva fica de portões “cerrados” e os guias/guardas não deixam subir por medida de segurança. É ruim ser barrado, mas achei bem necessário uma vez que já passamos errado quando fizemos o Fitz Roy  sem vigilância e nenhuma informação, chegamos no topo e ventava tanto que fomos arrastados pelo vento. Avaliando por este ponto o turismo de aventura no Chile é mais organizado.

Nossa experiência: na primeira vez em que tentamos, não sabíamos do horário limite e chegamos 12:30 na trilha e então subimos grande parte dela, mas em um determinado ponto fomos barrados e aconselhados a iniciar a descida por conta do horário.

Até naquele ponto, passamos por alguns miradores do cerro e fizemos a trilha até a cachoeira.

DSC_2904
trilha da cachoeira 20 minutos até esse ponto.
DSC_2909
parte da trilha se passa em um bosque.
DSC_2921
depois é só subida
DSC_2930
esse mirador foi a melhor vista do cerro que tivemos.

DSC_2927

IMG_20191220_140330

DSC_2926
interessante levar um lanchinho, pois não há nenhum bar no caminho, hehe

No segundo dia em que tentamos, nos avisaram que havia previsão de neblina completa e então seria só caminhar por caminhar, possivelmente não veríamos nem a lagoa. Desta forma acabamos desistindo de subir.

 

Há uma marcação nas trilhas com umas estacas coloridas, então não tem como se perder; a trilha que vai até a laguna tem as estacas de ponta vermelha como na foto abaixo:

DSC_2922

 

Da Villa Cerro  Castillo fomos a Puerto Ibañez onde passamos a noite.

A hospedaria fica antes de chegar na cidade e acredito que foi um dos lugares mais isolados em que já ficamos, estávamos somente nós e a família acolhedora em um ráio de muitos e muitos quilômetros.

IMG_20191220_164646
acesso à hospedagem

A sensação foi de estar fora do mundo. Isso porque lá não havia wi-fi nem tão pouco sinal 3G, que maravilha!

Acredito que existam algumas hospedarias na cidadezinha de Puerto Ibañez, porém não encontramos no booking. Foi uma sorte achar a Hospedaria El Juncal que nos deu essa experiência Patagônica de estar num lugar aconchegante, longe de qualquer agito e ser acolhido por uma família cheia de histórias para contar.

O dono da pousada nos contou de sua rotina de cuidar das ovelhas e de como fazem para sobreviver o rigoroso inverno (quando a neve atinge até 75 cm de altura na porta de sua casa e em outros pontos chega até 1m); são histórias de vida que enriquecem uma viagem e por isso gostei tanto dessa hospedagem.

 

IMG_20191220_170601

IMG_20191220_170629

IMG_20191220_222922

Ficamos na suíte com hidromassagem e vista para o bosque e custou 63 USD a diária com café da manhã. Você os encontra no Booking:

https://www.booking.com/hotel/cl/hospedaje-el-juncal.pt-br.html

IMG_20191221_081943

A cidade de PUERTO INGENIERO IBAÑEZ fica a 116 km ao sul de Coyhaique e é uma cidade micro com 757 habitantes. A pequena Ibañez é banhada pelo famoso Lago General Carrera, o qual estava ansiosa por conhecer e o mesmo nos acompanhou em outras cidades, isto porque o mesmo é enorme, o segundo maior lago da América do Sul, menor apenas que o Lago Titicaca, tão grande que seu território tem parte na Argentina também e por lá tem outro nome: Lago Buenos Aires.

IMG_20191220_184309
em meio aos pinheiros fica o centrinho de Puerto Ibañez

IMG_20191220_184002

O Lago General Carrera tem essa cor esmeralda porque tem origem das geleiras, fácil de concluir isso por conta de tantas montanhas nevadas que o cercam, o que deixam a paisagem incrível. Outra curiosidade é que as águas geladas do General Carrera desaguam no Pacífico pelo importante Rio Backer.

IMG_20191220_193748

O Lago também ficou conhecido internacionalmente quando o fundador da “The North Face” veio a falecer de hipotermia após se acidentar com seu caiaque em dezembro de 2015. Douglas Tompkins é adorado na Patagônia por todos os bons feitos pela preservação da natureza. O cara comprou 900 mil hectares de terra para transformar em Parques Nacionais, um deles é o Pumalín Park, um dos maiores parques privados do planeta, e outro, o qual estivemos por duas vezes nesta trip (tão grande que até fronteira com a Argentina faz e nós conhecemos parte dele em Chile Chico e outra parte em Cochrane) é o Parque Nacional Patagônia.

IMG_20191220_193508

Um dos pontos altos da viagem é a navegação de balsa pelo Lago General Carrera. Atravessamos ele de Puerto Ibañez a Chile Chico ao invés de fazer a volta no lago por terra. Recomento fortemente fazer isso, são belíssimas paisagens.

BALSA de Puerto Ibañez à Chile Chico.

São duas horas de travessia e vale muito a pena ficar atento, geralmente não se aguenta ficar o tempo todo na parte externa da balsa por conta do vento, mas tente o máximo que puder, principalmente quando estiver partindo e chegando.

DSC_2931
foto do início do trajeto, ainda nas proximidades de Puerto Ibañez
DSC_2947
a cor desse lago é fascinante, as águas geladas em alguns pontos alcançam a profundidade de 950 metros.
DSC_2951
chegando em Chile Chico

O trajeto de balsa custa 19.750 pesos chilenos para o carro e mais 2.300 por pessoa.

Compramos as passagens um dia antes no escritório de Puerto Ibáñez e só tinha para a noite do próximo dia (para carro) mas foi nos explicado que poderíamos tentar o outro horário da partida, às 11h em uma fila de espera. Foi o que fizemos e felizmente tivemos sucesso, conseguimos o lugar.

Abaixo segue o site para maiores informações como horários e preços. Recomendo fazer a compra das passagens antecipadamente pelo site, pois geralmente lota no verão e você pode não conseguir o seu horário desejado se deixar para comprar na hora.
DSC_2986
foto tirada do mirante de Chile Chico

 

Bom Fridinhos, próximo post será de Chile Chico.

 

Até mais,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: