OLINDA, tu é muito linda!

Que eu saí de Noronha chorando, é verdade mesmo, mas assim que bati o olho em Olinda, sorri novamente!

Olinda foi a confirmação de algo que sempre imaginei que fosse gostar, já tive um pouco desse sentimento no Recife antigo.
Sempre gostei de história, gosto da Europa por isso… ver viva uma história de 2 mil anos é fantástico, mas ver a nossa história que é tão recente preservada é ainda melhor.
Ah mas aí você pode pensar… Você é descendente alemã e deve ter sentido isso quando morou na Alemanha?! Não, nunca senti, morava numa cidade que foi inteiramente destruída na guerra e bem na verdade nunca me senti parte daquilo. Em Olinda senti empatia, senti vontade de ter uma proza longa com o guia (aliás, foi uma proza longa), o tempo de visitação guiada era 1:30 e levamos mais de 3 horas pois a história do lugar é fantástica.

Então se você ainda não foi para Olinda, tenha certeza que é uma “dentro”!

Tem tanta coisa linda que já fiquei imaginando as compras do dia seguinte, quando sairia com a intenção de guardar lembranças de um dia em Olinda.

Tenho tanto para contar… sabia que pernoitei em um convento de 1585? Fantástico, conto no final do post…

Você sabia que a cidade de OLINDA também já foi conhecida como Lisboa pequena, quando era a cidade mais rica do Brasil Colônia? Hoje conserva uma riqueza em cultura que é imperdível para todos que gostem de história e por aqueles que virão a gostar depois de conhecê-la.

A cidade mais antiga do Brasil a receber o título de Patrimônio Histórico da Humanidade, fundada em 1535, conserva a história e trajetória de nosso país em suas igrejas barrocas, casarões, conventos, mosteiros, e nas ruas de pedras de quase 600 anos.

Para esse tour sugiro contratar um guia para lhe explicar e mostrar toda história de Olinda e assim também entender um pouco mais da história do Brasil.

Recomendo o guia chamado Pingo, apelido carinhoso de sua mãe. Everaldo é gentil, educado, uma ótima compania para conhecer Olinda… atende pelo whatts 81 8621- 3539 e 81 98795-7655
O guia tem o custo de R$ 100,00 e a duração prevista do passeio é de 1:30h, embora eu tenha levado quase 3 horas de tanto que gostei, claro que paguei um pouco mais, mas foi por minha iniciativa pois ele cobra apenas os R$ 100 independente do tempo.

Veja nas imagens a Frida descendo e subindo ladeiras, visitando a Igreja de são Sebastião, Paróquia do Carmo, Basílica e Mosteiro de São Bento – que foi onde a primeira faculdade de direito do Brasil funcionou e onde estudaram grandes nomes – Igreja Nossa Senhora do Amparo, Convento de São Francisco, Catedral da Sé, Igreja da Misericórdia…

E me arriscando a contar um pouco do que aprendi com o guia, digo aprendi, porque conhecimento assim palpável é de um enriquecimento imensurável.

As fotos acima são da ruazinha da lateral da igreja, Rua do Amparo.

Um fato curioso: Antigamente as casas não tinham numeração então elas eram pintadas de cores diferentes para que se pudesse usar isso como referência para dizer onde morava.

A casa vermelha que estou em frente na foto da direita é geralmente é locada durante o carnaval, e sabe o valor? Em torno de 15 mil reais, só.

Caminhando um pouco mais, tão logo chegamos numa moradia especial, do ilustre morador de Olinda Alceu Valença.

Claro que essa não é a morada oficial dele, até por conta de logística de shows, mas nessa casa ele cresceu e quando está na região é aqui que ele descansa.

Imagina a alegria de conhecer Olinda e ainda ter o presente de vê-lo nessa varanda, queria ter tido essa sorte, quem sabe na próxima.

Desci e subi ladeiras e a vontade era de chamar algum morador dessas casas e perguntar por suas histórias, quem já morou aí, se era avô, bisa… essas coisas, tenho enorme curiosidade de conhecer as pessoas reais. O bom foi que o guia já tinha bastante a me contar da família dele e de várias outras que ele convive.

Na foto da esquerda estou em frente a Sociedade Beneficente de Artistas e Operários, impressionante como o apoio a cultura mantém a cidade, trabalho fantástico.

Na foto a esquerda, uma das feiras de artesanatos que o guia nos levou. Ali comprei um quadro que o próprio artista vendia, acho fantástica essa troca.

O guia também te ajuda a achar o melhor lugar para fazer as comprinhas, porque Olinda é lugar de um artesanato sem igual, se eu pudesse enchia um container, porque além de coisas lindas, o custo é muito bom. Comprei coisas lindas por lá e trouxe nas peças as histórias de quem as fez e me vendeu.

E como podem ver, são casinhas que conservam seus azulejos originais, origens dos portugueses lá do século XVII e muito bem preservadas, no geral são muito bem cuidadas.

Pisando em ruas de pedras originais de arenito e calcário de mais de 500 anos, é uma sensação de estar nos livros de história da quinta séria.

O tour é de Igrejas católicas, são várias Igrejas riquíssimas de altares em arte barrocas com muito ouro. O legal é ver as referências de 500 anos atrás.

Uma parada imperdível é no Museu dos Bonecos Gigantes.

Já tínhamos ouvido do guia sobre o surgimento dessa cultura:

Começou quando a comunidade resolveu homenagear uma figura querida, o vigia da cidade, “O Homem da Meia Noite”. Mais tarde fizeram um boneco de sua esposa, depois dos seus filhos e hoje a personalidade em destaque do ano é aquela que será homenageada ou criticada com a figura de um boneco gigante.

Vimos os bonecos de 45 kg que eram usados antigamente e os de hoje, mais leves mas que ainda pesam cerca de 25kg. Também há os bonecos de crianças, esses pesam 15kg.

HOSPEDAGEM:

Que tal uma noite no convento (sem precisar virar freira rsrs)?. A experiência é possível no Hotel Convento da Conceição onde funcionava o Convento das Irmãs Dorotéias, de 1585.

Essa é a dica de uma hospedagem para entrar no clima. Que tal dormir em um convento construído no século XVI?

A possibilidade de dormir em um convento nunca havia passado pela minha cabeça, mas assim que chegamos foi fantástico, o convento está em perfeito estado, as suítes te fazem imaginar como as madres e noviças passavam seu cotidiano. Além de tudo pude cozinhar, isso mesmo, há uma cozinha aberta, equipada e uma sala de jantar para fazer as refeições, tudo à parte da cozinha e sala onde é preparado o café da manhã.

Há uma área grande aberta nos fundos que tem uma vista maravilhosa de Olinda, do mar e do farol. E na parte da frente tem um jardim bem florido.

Mas a atração principal é a igreja que fica dentro do convento, é maravilhosa, com pinturas originais, um verdadeiro encanto. Construída junto ao convento no século XVI, em 1585, é um dos recolhimentos de Freitas mais antigos do Brasil. Em 1631 ele foi incendiado durante a invasão Holandesa mas depois reconstruído e reformado.
Hoje pode se ver o cuidado que foi tido para preservar a história deste lugar, no teto há vários medalhões e uma imagem da Nossa Senhora da Conceição em ouro.

Na igreja do convento, o teto e o piso são originais de 1585. Detalhe, o convento fica dentro do centro histórico, literalmente você entra no clima.

Agora, você deve estar pensando na fortuna que é se hospedar lá, mas tu não vai acreditar, é muito barato, custou apenas R$ 115,00.

Adorei a experiência dessa hospedagem, enriqueceu a estadia na cidade e me levou a sonhar acordada, lembrar das histórias que minha mãe contava do tempo em que ela estudava e morava em um colégio dirigido por freiras. Experiência fantástica.

Bom, de Olinda foi isso, é uma cidade para se passar pelo menos um dia e uma noite para ter a experiência de dormir em um convento. Espero voltar um dia em algum carnaval, quem sabe 2022.

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: